Países Com Novos Nomes e o Mais Recente Deles: A Macedônia do Norte

Grécia e Macedônia assinaram no domingo passado (17 de junho), na cidade fronteiriça de Psarades, um acordo histórico que encerra 27 anos de conflito bilateral com o nome da antiga república iugoslava, que agora será chamada de Macedônia do Norte.

Até agora, desde a dissolução da Iugoslávia, o nome oficial da Macedônia era Ex-República Iugoslava da Macedônia (FYROM em inglês).

O acordo, assinado pelos ministros das Relações Exteriores dos dois países, encerra 27 anos de conflito bilateral e permitirá levantar o bloqueio da Grécia na entrada da Macedônia à União Européia (UE) e à OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte).

O acordo, que vinha sendo negociado há seis meses, foi assinado pelo ministro grego Nikos Kotzias e o macedônio Nikola Dimitrov nas margens do Lago Prespes. Agora terá que ser ratificado pelos respectivos parlamentos e submetido a um referendo na Macedônia.

Os primeiros-ministros Alexis Tsipras e Zoran Zaev juntaram-se à cerimónia, na aldeia tipicamente balcânica de Psarades, com as suas casas de pedra e varandas de madeira, e terminam com um almoço no lado macedônio do lago.

Este acordo tem o apoio da ONU, da União Européia e da OTAN, cujos representantes também participam da cerimônia, incluindo a chefe da diplomacia européia, Federica Mogherini.

Desde a independência da antiga república iugoslava, em 1991, a questão do nome da Macedônia tem sido objeto de controvérsia.

A fonte do Problema

A Grécia não toleraria que seu vizinho use o nome de uma de suas províncias, atribuindo assim a herança de dois grandes reis da antiga Macedônia, Filipe II e seu filho Alexandre, o Grande.

A província grega da Tessalônica, é também conhecida como Macedônia Grega - Imagem: Wikipedia

Ambos os primeiros-ministros tiveram que enfrentar reações apaixonadas em seus próprios países, que emanaram da oposição dos setores direito e nacionalista da opinião pública.

Tsipras, o primeiro ministro da Grécia, foi acusado de "traição",  por seu rival Kyriakos Mitsotakis que é contra seu governo e também foi alvo de uma moção de censura pedindo para bloquear o acordo.

Na Macedônia, o presidente Gjorge Ivanov planeja exercer um direito de veto para bloquear o que a oposição nacionalista (da qual ele é muito próximo) se qualifica como "capitulação", algo que poderia atrasar um pouco a ratificação do acordo.

Esta discussão, que misturou aspectos políticos e históricos, bloqueou uma abordagem do pequeno estado macedônio à União Europeia e a OTAN.

Imagem: Wikipedia

Após a assinatura do acordo pelos ministros das Relações Exteriores, Tsipras disse que os dois países haviam cumprido seu "dever patriótico".

"Hoje cumprimos o nosso dever patriótico (...), um passo histórico para fechar as feridas do passado, abrimos caminho para a cooperação entre nossos países, os Bálcãs e toda a Europa", afirmou.

"Este passo não deve ser suspenso (...), já que estabelecemos um exemplo para construir o futuro contra o ódio", acrescentou o primeiro-ministro grego.

O acordo, que encerra 27 anos de disputas, é de uma "importância estratégica que pode mover montanhas" para trazer estabilidade e prosperidade, disse o chefe do governo macedônio, o social-democrata Zoran Zaev.

O acordo foi em grande parte possível após a chegada deste último ao poder em 2017, sucedendo a direita nacionalista macedônia.

Via: AFP

ATENÇÃO:

Mesmo ambos países sendo vizinhos um do outro, possuindo um passado e um nome em comum (nesse caso o da província grega com o do país), eles possuem línguas totalmente diferentes.

Na Grécia, o idioma oficial é o grego, e na Macedônia, agora Macedônia do Norte, a língua oficial é o macedônio, de origem eslava e com raízes em comum com o sérvio e até o russo.

Se você quiser entender com mais profundidade esse conflito entre gregos e macedônios (agora macedônios do norte), recomendamos que leia esse texto do blog de política internacional Xadrez Verbal.

Lembrando que nos últimos anos dois outros países mudaram de nome, a República Tcheca mudou o nome para Chéquia ou Tchéquia e a Suazilândia para eSwatini.